Novo

O Inquilino - Roman Polanski - Dvd

120 reais

em 6x 20 reais sem juros

Frete grátis

Saiba os prazos de entrega e as formas de envio.

Último disponível!

Informações sobre o vendedor

Localização

Brasília, Distrito Federal

  • 41

    Vendas nos últimos 365 dias

  • Presta bom atendimento

  • Entrega os produtos dentro do prazo

Ver mais dados deste vendedorAbrirá em uma nova janela

Devolução grátis

Você tem 30 dias a partir do recebimento do produto para devolvê-lo, não importa o motivo!

Garantia

Compra Garantida com o Mercado Pago

Receba o produto que está esperando ou devolvemos o seu dinheiro

Garantia do vendedor

Sem garantia

Meios de pagamento

Boleto parcelado em até 12x

Mercado Crédito

Cartões de crédito

Mastercard
Hipercard
Elo
Visa

Cartões de débito

Mastercard Débito
Elo Debito
Visa Débito

Pix

Pix

Boleto bancário

Boleto

Características principais

Nome do filmeO inquilino
Diretor do filmeRoman Polanski
Formato do filmeDVD
Resolução de vídeoHD
Quantidade de discos1

Outras características

  • Áudio: Inglês

  • Gênero: Drama

  • Companhia produtora: Classics

  • Formato: Físico

Descrição

Em 1976, Roman Polanski conseguiu fechar com chave de ouro a chamada “Trilogia dos Apartamentos” com um filme mais evidente sobre as questões tratadas nos anteriores Repulsa ao Sexo (1965) e O Bebê de Rosemary (1968). Sua obsessão por personagens que, encarcerados, começam a ter desvios de personalidade beirando à loucura, encontra retrato definitivo em O Inquilino. O longa, ironicamente ou não, é também estrelado pelo diretor, talvez para expiar alguns traumas do seu passado, tais como a xenofobia enfrentada quando se mudou para França (afinal, sua origem é polonesa) ou, mais grave, o assassinato de sua esposa Sharon Tate pela seita liderada por Charles Manson.




Aqui, Polanski é Trelkovsky, um corretor de seguros polonês que chega à França e quer locar o apartamento de Simone Choule, uma jovem que (acredita-se) tentou suicídio ao se jogar da janela. Após uma visita dele ao hospital para conseguir o aval da moça e, assim, ter onde morar, ela morre. Os dias posteriores vividos naquele ambiente fechado começam a se tornar cheios de paranoia, transtornos psicológicos e o surgimento de um duplo. No caso, Simone acaba servindo como um espelho para que Trelkovsky mude seus hábitos, seus trejeitos e inclusive seu físico, ficando cada vez próximo da garota.

O que acontece durante esse “desvio de conduta”, por assim dizer, é o mais interessante de O Inquilino, sem contar o final que aponta para novas direções. À medida que o protagonista vai conhecendo não apenas a própria moradia, mas o prédio em si, os outros apartamentos, portas e vizinhos, o espectador começa a ficar intrigado a respeito do que se passa na sua mente de Trelkovsky, questionando-se sobre os acontecimentos, se eles são reais, frutos da imaginação ou da presença assombrada da jovem recém-falecida.




Não à toa o personagem principal começa a se transformar em Simone, seja nos pequenos gestos, como fumar os mesmos cigarros que ela, até nos mais pesados e evidentes, como o gênero sexual sendo mais influente sobre suas atitudes, passando daquele estado mental para o próprio físico, do homem se transformando em mulher, mas em um nível que está além da possível homo ou transexualidade. A direção de arte e a fotografia evidenciam mais esta dicotomia entre ilusão e realidade, ao utilizar tons pastéis, escuros, carregados por sombras pesadas e mostrar o próprio aspecto “sujo”, desleixado, antigo e em condições precárias do prédio onde o inquilino do título mora.


O interesse de Simone pelo Egito antigo não é gratuito e está além dos momentos em que o novo morador encontra hieróglifos no banheiro. Os mistérios acerca daquela civilização parecem remeter diretamente ao que o protagonista sente e, nessa curiosidade, acaba fazendo experimentações, mesmo que elas sejam psicologicamente de gosto duvidoso. Ainda assim, o público pode até começar a compreender o que se passa naquele prédio, mas será que o estado mental de Trelkovsky está ligado a esse possível encontro com um duplo que ele nem admitia existir ou será preciso que a perspectiva dos vizinhos seja colocada à prova (e será) para que o “real” (se é que pode ser chamado dessa maneira) venha à tona?

O Inquilino não foi bem recebido na época de seu lançamento, porém é um dos longas mais interessantes da carreira de Polanski, não apenas por remeter, ainda nos dias de hoje, a produções mais famosas do gênero, como Psicose (1960), de Alfred Hitchcock, ou O Iluminado (1980), de Stanley Kubrick. É um exercício feroz sobre a psique humana, seus medos e desejos mais profundos, sob o olhar de um dos cineastas mais intrigantes da história moderna do cinema. Além de tudo, se mostra um estudo sagaz sobre o isolamento do ser humano em seu próprio casulo.

Perguntas e respostas

Pergunte ao vendedor

Não fizeram nenhuma pergunta ainda.

Faça a primeira!