official-store-logo
Novo

Sonetos Da Portuguesa

19 reais con 50 centavos

em 3x 7 reais con 07 centavos

Envio para todo o país

Saiba os prazos de entrega e as formas de envio.

Disponível 1 dia após sua compra

Informações da loja

Rocco
Rocco

Loja oficial no Mercado Livre

Devolução grátis

Você tem 30 dias a partir do recebimento do produto para devolvê-lo, não importa o motivo!

Garantia

Compra Garantida com o Mercado Pago

Receba o produto que está esperando ou devolvemos o seu dinheiro

Garantia da loja

Garantia de fábrica: 3 meses

Meios de pagamento

Boleto parcelado em até 12x

Mercado Crédito

Cartões de crédito

Pague em até 3x!

Mastercard
Hipercard
Elo
Visa

Cartões de débito

Elo Debito
Visa Débito

Pix

Pix

Boleto bancário

Boleto

Características principais

Título do livroSonetos da Portuguesa
AutorELIZABETH BARRETT BROWNING
IdiomaPortuguês
Editora do livroEDITORA ROCCO
FormatoPapel
Tampa do livroMole
MarcaEditora Rocco

Outras características

  • Quantidade de páginas: 128

  • Tipo de narração: Manual

  • ISBN: 9788532526700

Descrição

Pouco conhecida do público no Brasil, a poeta inglesa Elizabeth Barrett Browning (1806-1861) é aclamada em todo o mundo pela crítica especializada, e seus sonetos figuram entre os mais populares da língua inglesa. Dona de uma biografia to surpreendente quanto sua obra, Elizabeth publicou os Sonetos da portuguesa em 1850, tendo-os escrito anos antes, durante o período em que se correspondeu com o também poeta e futuro marido Robert Browning. É esta coletânea que chega agora aos leitores brasileiros pela Rocco, com traduço primorosa e um enriquecedor posfácio assinado por Leonardo Fróes.

Os sonetos narram a invulgar e imprevisível história de amor de Elizabeth e Robert, oito anos mais jovem que a escritora. O romance tem início quando a escritora, aos 40 anos, levando uma vida reclusa, recebe uma carta de Robert. No bastasse a idade, avançada para o matrimônio naquela época, Elizabeth e seus irmos tinham ordens expressas de seu excêntrico pai, Mr. Barrett, um homem rico, herdeiro de plantações na Jamaica, para nunca se casar; caso contrário seriam deserdados e afastados do convívio familiar.

Apesar de viver em recluso e dada como “inválida” devido a dores recorrentes, Elizabeth produzia prolificamente. À época da troca de cartas, já havia publicado seus poemas em dois volumes e sua literatura já era conhecida na Inglaterra e nos Estados Unidos. Era natural, portanto, que recebesse cartas dos seus leitores. A primeira missiva enviada por Robert Browning demonstrava o profundo conhecimento do poeta sobre a sua obra e uma grande admiraço pela mulher (mesmo sem conhecê-la pessoalmente), o que despertou o interesse de Elizabeth.

Mas a primeira visita demoraria quase seis meses para ocorrer. Ao longo de 20 meses, foram 574 cartas, que culminaram no casamento clandestino e na fuga para Paris e depois para a Itália, onde viveram até a morte da escritora, sempre na companhia de Miss Wilson, criada que acompanhou o casal na fuga, e de Flush, o fiel cocker spaniel que inspirou Virginia Woolf a contar a história deste amor (Flush, de 1933).

Durante a troca de correspondência, Elizabeth foi, passo a passo, delineando os seus sonetos. Por isso seus versos abrigam, segundo o tradutor e também poeta Leonardo Fróes, “três movimentos de definiço muito clara: o da recusa inicial da amada, o do contágio do amor que se propaga (...) e o do coroamento glorioso do encontro (...)”.

Ainda que exista o movimento inicial da recusa, já no primeiro soneto a poeta demonstra indícios do seu interesse pelo “amor”, que ela ainda no houvera conhecido: “(...) ‘É a morte que me agarra?’ eu perguntava. ‘É amor’, a voz de prata me dizia.” Nos demais sonetos que seguem, fica clara a descrença de Elizabeth de que tal amor pudesse florescer, e a autora tenta mostrar as diferenças entre eles a fim de ratificar os destinos desencontrados de um e de outro.

Até que Elizabeth começa a dar vestígios do contágio do amor. Os sonetos seguintes comprovam a deciso de acolher e viver a sua história com Robert Browning e mostram a importância do amado em sua vida, capaz de extirpar o medo antes existente e de “cingir de cor” o coraço da poeta, para usar uma de suas belíssimas imagens.

Encerra, lindamente, falando dos seus modos de amar o seu amado, no soneto 43, um dos mais famosos do livro, também traduzido por Manuel Bandeira, e mostrando a sua delicadeza na entrega do sentimento: “Como te amo? Deixa eu contar os modos. / Te amo do fundo e da largura e altura / A que a alma chega quando os fins procura / Do Ser da Graça ideal, sumindo a todos. (...).”


Leia um trecho +

Perguntas e respostas

Pergunte ao vendedor

Não fizeram nenhuma pergunta ainda.

Faça a primeira!