official-store-logo
Novo | 1 vendido

Morte No Paraíso - A Tragédia De Stefan Zweig

69 reais con 50 centavos

em 12x de 16 reais con 63 centavos pagando com Mercado Crédito

Envio para todo o país

Saiba os prazos de entrega e as formas de envio.

Disponível 1 dia após sua compra

Comprar com Mercado Crédito

Compra em 12x de R$ 1663 selecionando Mercado Crédito como meio de pagamento.

Informações da loja

Rocco
Rocco

Loja oficial no Mercado Livre

Devolução grátis

Você tem 30 dias a partir do recebimento do produto para devolvê-lo, não importa o motivo!

Garantia

Compra Garantida com o Mercado Pago

Receba o produto que está esperando ou devolvemos o seu dinheiro

Garantia da loja

Garantia de fábrica: 3 meses

Meios de pagamento

Boleto parcelado em até 12x

Mercado Crédito

Cartões de crédito

Pague em até 12x!

Mastercard
Hipercard
Elo
Visa

Cartões de débito

Mastercard Débito
Elo Debito
Visa Débito

Pix

Pix

Boleto bancário

Boleto

Características principais

Título do livroMorte no Paraíso - A Tragédia de Stefan Zweig
AutorALBERTO DINES
IdiomaPortuguês
Editora do livroEDITORA ROCCO
FormatoPapel
Tampa do livroMole
MarcaEditora Rocco

Outras características

  • Quantidade de páginas: 736

  • Gênero do livro: Biografias

  • Tipo de narração: Manual

  • ISBN: 9788532527660

Descrição

Trinta anos após a primeira publicaço, é possível afirmar: com Morte no Paraíso, Alberto Dines conseguiu escrever uma obra única, inigualável e indispensável, um daqueles livros que ilumina uma vida – a do biografado – e justifica outra, a do seu autor. Verdadeiro guardio do legado de Stephen Zweig, o jornalista Alberto Dines traça, nesta que é a quarta ediço revista e ampliada do livro, a trajetória daquele que foi um dos autores internacionais de maior sucesso na primeira metade do século XXI, a partir de farto material bibliográfico, dados inéditos, detalhes revistos e nova iconografia. Ao mesmo tempo, faz um panorama da Viena do período, da ascenso de Hitler e o horror da Segunda Guerra Mundial, do drama dos refugiados e do Brasil na Era Vargas.
Trabalho de uma vida inteira, Morte no Paraíso começou a germinar na cabeça de Alberto Dines aos oito anos de idade ? quando Stefan Zweig visitou a Escola Popular Israelita Brasileira Scholen Aleichem em que ele estudava, em Vila Isabel ?, e só se encerrou [será mesmo?] em 2012, quando Dines já festejou seu octogésimo aniversário. Um fértil relacionamento de mais de setenta anos que apresenta uma curiosidade invulgar: ninguém conviveu com Stefan Zweig por mais tempo que Alberto Dines, nem mesmo o próprio Zweig, falecido logo após completar 60 anos de idade.
Seria fácil classificar essa devoço extraordinária de “obsessiva”, mas isso seria to simplista quanto equivocado tendo em vista o fato de que a dedicaço de Dines ao seu biografado no se afasta em momento algum da objetividade. Dines no escamoteia nem atenua nenhum dos defeitos e nenhuma das limitações de Stefan Zweig, de uma forma tal que em determinado momento o leitor se sente tentado a discordar dele em relaço ao talento literário de Zweig, que ele parece considerar com rigor excessivo ao lhe negar a condiço de “gigante da literatura”. Mas somos levados a perdoar-lhe quando ele afirma que “escritores considerados ‘maiores’ no resistem às releituras; Zweig tido por alguns como ‘menor’, cresce com elas. Tem sempre algo de novo a dizer às novas gerações”.
Dines biografou um biógrafo que até hoje figura nas listas europeias dos melhores da literatura, que marcou um estilo de escrita e de vida – usava ternos brancos, sapato de bico fino, chapéu gelô ou Panamá. Que foi amigo de Freud, Romain Rolland, James Joyce e Thomas Mann. Dines captou um pedaço da história capaz de explicar o mundo de hoje, que Zweig no esperou para ver.
Morte no Paraíso no é apenas a biografia de um escritor expatriado e infeliz, e sim um retrato de um mundo em transformaço, e uma biografia do próprio Brasil na Era Vargas, quando o pêndulo das preferências políticas pendia mais para o lado do fascismo que da democracia. Situaço que o próprio Zweig ajudou a corrigir sem o saber, levando-o a pender para a direço oposta com seu próprio suicídio, gesto paradoxal e incompreensível de quem renega o futuro naquele que ele mesmo contribuiu para popularizar como “país do futuro”.
Todo suicídio desconcerta e intriga, mas em termos do suicídio de um intelectual judeu, o de Stefan Zweig só é menos paradoxal do que o de Walter Benjamin na fronteira da França com a Espanha, que ele acreditava intransponível, mas foi cruzada sem problemas por todos os companheiros de fuga no dia seguinte ao de seu gesto extremo. Ambos morreram às vésperas da redenço e a aparente inutilidade de seus sacrifícios contribuiu para a criaço da aura mística que os envolve até hoje. E pensar que foi Stefan Zweig quem declarou: “A política passa, as artes permanecem... a história prova que, em tempos intranquilos, artistas trabalham com maior concentraço” [Dines, p. 240]. Contudo, ele próprio admitiu ser “demasiadamente impaciente” em seu bilhete de suicídio.
Neste tocante documento, por ele burocraticamente intitulado “Declaraço”, Zweig escreveu também: “A cada dia aprendi a amar este país, mais e mais. Em parte alguma eu poderia reconstruir minha vida agora que o mundo da minha língua está perdido e o meu lar espiritual, a Europa, autodestruído.” Com efeito, conforme comprova Dines, Zweig amou genuinamente nosso país, ao contrário do que afirmam aqueles que consideram Brasil: país do futuro uma obra propagandística destinada a lhe garantir o conforto de um asilo político prestigioso em tempos de guerra.
O que verdadeiramente desiludiu Stefan Zweig no foi a perda de sua bela propriedade (repleta de preciosas coleções de arte, partituras e manuscritos), das inúmeras amizades que to bem soube cultivar, ou até mesmo do prestígio que desfrutava na qualidade de um dos mais lidos e respeitados escritores em língua alem. O que mais o desesperou foi a usurpaço do idioma que dera origem a tantas obras literárias, poéticas, filosóficas e dramatúrgicas pela mais completa e (acreditava ele) irreversível barbárie. Zweig no se suicidou por estar condenado ao exílio, e sim por se acreditar condenado ao silêncio.


Perguntas e respostas

Pergunte ao vendedor

Não fizeram nenhuma pergunta ainda.

Faça a primeira!