official-store-logo
Novo

O Canibalismo Amoroso

28 reais con 80 centavos

em 5x 6 reais con 33 centavos

Envio para todo o país

Saiba os prazos de entrega e as formas de envio.

Último disponível!

Informações da loja

Rocco

Rocco

Loja oficial no Mercado Livre

  • 266

    Vendas nos últimos 60 dias

  • Presta bom atendimento

  • Entrega os produtos dentro do prazo

    Ver mais dados de RoccoAbrirá em uma nova janela

    Devolução grátis

    Você tem 30 dias a partir do recebimento do produto para devolvê-lo, não importa o motivo!

    Garantia

    Compra Garantida com o Mercado Pago

    Receba o produto que está esperando ou devolvemos o seu dinheiro

    Meios de pagamento

    Cartões de crédito

    Pague em até 5x!

    Boleto parcelado em até 12x

    Cartões de débito

    Pix

    Boleto bancário

    Características principais

    Título do livroO Canibalismo Amoroso
    AutorAFFONSO ROMANO DE SANTANNA
    EditoraEDITORA ROCCO
    FormatoPapel
    MarcaEDITORA ROCCO

    Outras características

    • Cobertura: Mole

    • Tipo de narração: Manual

    • ISBN: 9788532504081

    • Páginas: 320

    Descrição

    A poesia é a melhor forma de se falar de amor. Um amor que vai do platonismo ao canibalismo na forma de descrever seu objeto de culto: o feminino. A história da poesia brasileira que o poeta Affonso Romano de Sant’Anna fez neste livro é uma sedutora viagem pelo desejo masculino e sua projeção no corpo do ser amado. Ao sabor da estética e dos costumes de cada época, as mulheres podem ser amadas distantes, anjos de corpos imaculados ou mulatas calientes, saboreadas como mulheres-fruto ou mulheres-caça.
    Os poetas neoclássicos, como Tomás Antonio Gonzaga, por exemplo, mal falavam em beijos ou seios. Já no Romantismo, a culinária é mesclada ao erotismo, na pele de mestiças cor de buriti, ao mesmo tempo cozinheiras e comida. Castro Alves é a única voz dissonante, colocando-se ao lado dos oprimidos, numa metáfora baseada na mitologia grega, em que a ninfa negra encontra Pan, o violador, o signo da morte, em A cachoeira de Paulo Afonso.
    As mulheres, para os parnasianos, eram semelhantes às estátuas de mármore: belas, frias e inatingíveis. Cruz e Souza e Alphonsus de Guimaraens encheram o Simbolismo de magnólias e lírios, garças e anjos. E Manuel Bandeira inaugura o século XX com a união entre o sexual e o espiritual, misturando santas, como Maria Egipcíaca e Teresa, a prostitutas, estrelas e flores. Não se pode falar em mulher na poesia sem esquecer seu maior cantor, Vinícius de Moraes. Affonso Romano de Sant’Anna revela um componente edipiano na poesia de Vinícius, recheada de imagens de Grandes Mães e de filhos-amantes.
    O canibalismo amoroso é um texto delicioso, uma pesquisa saborosa e fundamental para quem se interessa por literatura ou mulheres.




    Perguntas e respostas

    Qual informação você precisa?

    Pergunte para Rocco

    Não fizeram nenhuma pergunta ainda. Faça a primeira!