official-store-logo
Novo

A Eternidade Pelos Astros

19 reais con 60 centavos

em 3x 7 reais con 06 centavos

Envio para todo o país

Saiba os prazos de entrega e as formas de envio.

Disponível 1 dia após sua compra

Informações da loja

Rocco
Rocco

Loja oficial no Mercado Livre

Devolução grátis

Você tem 30 dias a partir do recebimento do produto para devolvê-lo, não importa o motivo!

Garantia

Compra Garantida com o Mercado Pago

Receba o produto que está esperando ou devolvemos o seu dinheiro

Garantia da loja

Garantia de fábrica: 3 meses

Meios de pagamento

Boleto parcelado em até 12x

Mercado Crédito

Cartões de crédito

Pague em até 3x!

Mastercard
Hipercard
Elo
Visa

Cartões de débito

Elo Debito
Visa Débito

Pix

Pix

Boleto bancário

Boleto

Características principais

Título do livroA eternidade pelos astros
AutorLOUIS BLANQUI(ORG.MARCOS LUCCHESI)
IdiomaPortuguês
EditoraEDITORA ROCCO
FormatoPapel
MarcaEDITORA ROCCO

Outras características

  • Tampa do livro: Mole

  • Tipo de narração: Manual

  • ISBN: 9788579802119

  • Páginas: 128

Descrição

O segundo livro da coleção Memórias do Futuro, organizada pelo poeta, tradutor e acadêmico Marco Lucchesi, é fruto de uma imaginação tão prodigiosa que parece saída de um conto de Jorge Luis Borges. A eternidade pelos astros é uma desconcertante especulação cosmológica levada a cabo por Louis-Auguste Blanqui (1805-1881), mais conhecido, talvez, como teórico socialista e revolucionário.   Pouco importa que os pressupostos da hipótese levantada por Blanqui tenham sido desmontados pelas descobertas do século XX. A beleza do livro que temos em mãos não deve ser mensurada pela sua importância científica, mas, sim, pelo modo como se desenrola a argumentação, pela riqueza das analogias e pelo brilhantismo sardônico de seu estilo. Aqui, química e poesia andam juntas, para tentar desvendar a dinâmica do universo e a existência humana.   Blanqui postula que o universo, “infinito em seu conjunto em cada uma de suas frações”, é composto por um número finito de elementos, os “corpos simples”, de tal forma que, “para preencher a imensidão, a natureza tem que repetir, infinitamente, cada uma das suas combinações originais ou tipo”. Os tipos seriam sistemas estelares, os quais se repetiriam infinitamente. O nosso sistema solar seria, por exemplo, “uma das combinações originais”. Dele seriam retiradas “bilhões de provas” e, de cada uma dessas provas, faria parte “uma Terra idêntica à nossa, uma Terra sósia”. Mais do que isso, cada um de nós teria, “na imensidão, um número sem-fim de duplos que vivem” as nossas vidas; seríamos infinitos e eternos nas pessoas de outros, não apenas em nossas respectivas idades atuais, mas “de todas as suas idades”.   A eternidade, portanto, é a eternidade da repetição, e a ideia de “progresso” só faria sentido aos nossos pequenos olhos, perdidos numa imensidão que somos incapazes de compreender. A viagem empreendida por Blanqui vai, assim, em dois sentidos ao mesmo tempo contraditórios e complementares: rumo ao infinito, mas também ao que há de mais ínfimo, procurando fixar tanto a estrela quanto o grão de poeira. Leitura indispensável aos interessados em refletir sobre a história, mirando em novas possibilidades para o futuro.
Leia um trecho +

Perguntas e respostas

Pergunte ao vendedor

Não fizeram nenhuma pergunta ainda.

Faça a primeira!