official-store-logo
29 reales con 50 centavos

em 12x 3 reales con 01 centavo

Anúncio pausado

Informações da loja

Rocco
Rocco

Loja oficial no Mercado Livre

Características principais

Título do livroTranstorno moral
AutorMARGARET ATWOOD
IdiomaPortuguês
Editora do livroEDITORA ROCCO
Capa do livroMole
Ano de publicação2010
MarcaEDITORA ROCCO

Outras características

  • Quantidade de páginas: 240

  • Altura: 210 mm

  • Largura: 140 mm

  • Peso: 510 g

  • Tipo de narração: Manual

  • ISBN: 9788532525062

Descrição

E se a vida de uma pessoa pudesse ser contada em 11 pequenas histórias? Os melhores e piores momentos, no dispostos em ordem cronológica, mas na hierarquia das lembranças? É exatamente o que faz a prestigiada Margaret Atwood no romance Transtorno moral: a autora perpassa 60 anos da vida ácida e encantadora de Nell, uma mulher que no sabe muito bem quem é ou que deseja ser, em 11 contos relacionados entre si. Protagonista e por vezes narradora, Nell conta sua infância, o nascimento da irm Lizzie, o casamento com Tig, a maturidade e os cuidados com a me doente, sempre alternando os pontos de vista sobre si mesma: ora recusando a intelectual que projetou, ora a herança mundana do caráter dos pais.

As belas imagens criadas por Atwood funcionam como metáforas para ilustrar os transtornos pessoais de Nell. No conto-capítulo “O cavaleiro sem cabeça”, por exemplo, as irms Nell e Lizzie lembram de uma passagem da infância enquanto vo de carro visitar a me enferma. O episódio acaba por revelar o conforto da personagem com pensamentos suicidas na adolescência. Quando Nell tinha 13 anos, fez uma fantasia de “cavaleiro sem cabeça” para usar no Halloween. Apesar de sentir-se crescida para a brincadeira, a menina insistiu no traje pela satisfaço que o horror lhe proporcionava: escondidas nas roupas, levava nos braços uma cabeça feita de papel-machê, com olhos saltados e sangue jorrando pela boca, exatamente como o personagem do livro que lia no momento, A lenda do cavaleiro sem cabeça, de Washington Irving.

Em comum, as histórias so pontuadas pela memória de livros aleatórios que marcaram a vida da personagem. No conto “A arte de cozinhar e servir”, por exemplo, Nell comenta que, aos 11 anos, este livro de receitas, na verdade uma brochura promocional de uma confeitaria, era seu livro preferido. Os conselhos sobre o comportamento da dona de casa a encantavam particularmente: “Com paciência, bondade e senso de justiça”, ela me afirmou, “pode-se transformar uma moça desmazelada e inexperiente numa criada bem-vestida e profissional. A palavra que eu me agarrei foi transformar. Será que eu queria transformar ou ser transformada? Viria a ser a patroa bondosa ou a criada desmazelada?”, atesta a narradora-personagem, dando início, ali, à formaço de seus ideais feministas, que a acompanhariam pela vida.

O caráter autobiográfico de Transtorno moral é notável, ainda que no seja evidente. Apesar do último capítulo assumir claramente um tom confessional, (“Os garotos no laboratório”) e da dedicatória do livro dar alguma pista (“Para minha família”), Margaret no deixa claro o quanto de si mesma deixou em Nell – o que torna a leitura ainda mais instigante. Vale lembrar que o título original da obra, Moral Disorder, foi tomado do livro que o marido de Margaret, o também aclamado escritor canadense Graeme Gibson escrevia em 1996, quando decidiu abandonar a literatura.

Perguntas e respostas

Não fizeram nenhuma pergunta ainda.

Faça a primeira!