official-store-logo
Novo | 1 vendido

A Excêntrica Família Silva

24 reales con 50 centavos

em 5x 5 reales con 51 centavos

Anúncio pausado

Informações da loja

Rocco
Rocco

Loja oficial no Mercado Livre

Características principais

Título do livroA Excêntrica Família Silva
AutorKAREN ACIOLY
IdiomaPortuguês
Editora do livroEDITORA ROCCO
Tampa do livroMole
MarcaEDITORA ROCCO

Outras características

  • Quantidade de páginas: 64

  • Gênero do livro: Infantis

  • Tipo de narração: Manual

  • ISBN: 9788579801662

Descrição

“Respeitável público: todo circo tem uma alma, uma família, um sonho...” O trecho em destaque, de A excêntrica família Silva, talvez seja o que melhor sintetiza este quarto título da coleço Caras e Máscaras, que será lançado na Flipinha, durante a Festa Literária Internacional de Paraty (FLIP), de 3 a 7 de julho de 2013. Em busca da alma do circo, a diretora e autora teatral Karen Acioly realizou uma minuciosa pesquisa e se viu envolvida numa grande história de amor. Uma no, muitas. Descobriu, por exemplo, que a formaço de casais dentro da família circense deu origem a novas formações, garantindo a evoluço do circo no Brasil. “E assim juntamos os trapos, as coisas, as famílias, fazendo uma porço de filhos e filhas... Juntando os Teresa, os Shuman, os Cardona, os Olimecha, os Silva, os Pereira, os Baxter, os Moya, os Landa, os Azevedo, os Leite, os Oliveira.” Como resultado desta investigaço – chamada “O Amor e o Circo” – Karen deu à luz esta excêntrica família Silva, texto encenado de 2000 a 2003 e agora lançado em livro. Nas palavras da autora, a ediço da obra neste formato possibilita que crianças e adultos embarquem nos universos circense e teatral, realizando leituras coletivas. O livro narra a história da chegada do circo ao país, tendo como personagem central o primeiro palhaço negro brasileiro, Benjamin de Oliveira – responsável por incorporar o teatro e o samba à linguagem circense. No picadeiro da história, brilham muitas outras criaturas, como a Surucucu Woman, as sereias xifópagas Miracema e Miramar e a bailarina equestre Rosita de La Plata. Tudo numa atmosfera que mistura realidade e fantasia, poesia, música e muita arte. Num texto leve, tecido com fina ironia, a autora brinca com palavras, mistura idiomas e conta histórias curiosas. Como a do marechal Floriano Peixoto, que presidiu o Brasil de 1891 a 1894 e teria se encantado com a apresentaço do palhaço Benjamin. “Saiba que simpatizei com sua palhaçada pública. Financiarei este circo lá na Praça da República!” Se coubesse a Benjamin contar a história do teatro infantojuvenil no Brasil, Karen Acioly certamente estaria entre as grandes estrelas do espetáculo. Com 31 peças escritas, dez livros publicados, Karen é atriz, dramaturga, teatróloga e, ainda, criadora e diretora artística do Festival Internacional Intercâmbio de Linguagens (FIL) e fundadora do Centro de Referência Cultura e Infância, no Teatro do Jockey, no Rio de Janeiro. Na bagagem, traz prêmios como Sharp, Mambembe, Coca-Cola, Zilka Salaberry e Maria Clara Machado. Na vida real, Benjamin foi um vendedor de broas de milho que, por adorar o circo, pediu para subir ao picadeiro e nunca mais desceu. No menos intensa é a história de Karen no universo teatral. Aos 7 anos de idade, aluna do colégio Bennett, se encantou pelo teatro, embarcou numa jornada Brasil afora, com o projeto Mambembinho, e desta viagem pelas artes dramáticas no deseja retornar. O primeiro prêmio foi conquistado em 1985, o troféu Mambembe, com De repente, no recreio, que narrava situações inspiradas em suas memórias da escola. Em 2001, tornou-se a primeira coordenadora de teatro infantil do município do Rio de Janeiro, trabalho pioneiro que levou mais de 100 mil crianças aos espaços da cidade. Entre os livros publicados, destacam-se Tuhu, o menino Villa-Lobos, Os meus balões, Viva o Zé Pereira (os três receberam o Prêmio da Fundaço Nacional do Livro Infantil e Juvenil – FNLIJ –, na categoria Teatro), Chuveiro, A tinta e Os bichos, todos lançados pela Rocco. Outros dois títulos esto no prelo: Cabelos arrepiados e Fedegunda. E para 2014, mais novidades: Karen trabalha o roteiro para o cinema de A excêntrica família Silva e a série Fina, para TV. Assim como o Benjamin da família circense, que encanta a plateia com sua maneira to própria de contar histórias, Karen faz arte com a escrita: “O que nos mantém na leitura é a forma de contar. Temos que provocar em nós mesmos uma maneira curiosa de ver e narrar. As histórias que escrevo para contar so como uma ponte pontilhada: o imaginário do leitor é que completa a leitura.” Por Julia Duque Estrada, jornalista e mestre em Literatura Brasileira

Perguntas e respostas

Não fizeram nenhuma pergunta ainda.

Faça a primeira!