official-store-logo
Novo

Tubos - O Mundo Físico Da Internet

31 reais con 60 centavos

em 6x 5 reais con 82 centavos

Envio para todo o país

Saiba os prazos de entrega e as formas de envio.

Estoque disponível

Informações da loja

Rocco

Rocco

Loja oficial no Mercado Livre

  • 283

    Vendas nos últimos 60 dias

  • Presta bom atendimento

  • Entrega os produtos dentro do prazo

    Ver mais dados de RoccoAbrirá em uma nova janela

    Devolução grátis

    Você tem 30 dias a partir do recebimento do produto para devolvê-lo, não importa o motivo!

    Garantia

    Compra Garantida com o Mercado Pago

    Receba o produto que está esperando ou devolvemos o seu dinheiro

    Meios de pagamento

    Cartões de crédito

    Pague em até 6x!

    Boleto parcelado em até 12x

    Cartões de débito

    Pix

    Boleto bancário

    Características principais

    EditoraEDITORA ROCCO
    OrigemBrasil
    FormatoPapel
    MarcaEDITORA ROCCO

    Outras características

    • Título: Tubos - O Mundo Físico da Internet

    • ISBN: 9788532528407

    Descrição

    Dois bilhões de pessoas usam a internet diariamente, mas pouco se sabe ou se fala sobre o aspecto físico da conexão em rede – de onde vêm os dados que invadem as telas, e por onde eles passam? Andrew Blum iniciou uma longa jornada para conseguir entender como o mundo inteiro chegava, através de cabos, até o seu monitor. Em Tubos – o mundo físico da internet, ele detalha as experiências de sua “visita à internet” e mostra que uma das maiores invenções do século XX é muito mais do que uma simples luz piscando em roteadores. Formado em literatura e geografia, Blum – que já escreveu sobre tecnologia para publicações importantes como Wired, The New York Times e The New Yorker – se utiliza de ferramentas tão básicas quanto um bloquinho de notas para investigar os personagens que fazem parte da história da criação e do desenvolvimento da grande rede. Como, por exemplo, o cartógrafo Markys Krisetya, encarregado de produzir mapas da estrutura física da internet espalhada pelos quatro cantos do globo. Em sua caminhada, o autor se preocupou em juntar as peças que o possibilitariam dispor de um corte temporal e geográfico capaz de se aproximar da ligação física entre o ciberespaço e o mundo real. A partir dos mapas de Krisetya, Blum chegou até um poeirento corredor da Universidade da Califórnia (UCLA), em Los Angeles, onde se deparou com um dos primeiros processadores de mensagem de interface, ou IMP (Interface Message Processor), uma máquina do tamanho de um armário. Na companhia do conhecido engenheiro e cientista da computação Leonard Kleinrock, Blum descreve os bastidores do verão de 1969, quando o IMP da UCLA se conectou pela primeira vez com o IPM 2, instalado no Instituto de Pesquisa de Stanford. Esse evento foi o pontapé inicial da ARPANET, a precursora da internet. Seguindo os passos do crescimento das grandes redes de computadores, o autor registra a confluência das grandes empresas de tecnologia para o novo filão de mercado que então surgia. E delineia o dinamismo e a atmosfera receptiva à inovação que fez do Vale do Silício – reduto da indústria eletrônica dos EUA depois da Segunda Guerra Mundial – a Meca de empresas do ramo de serviços online, como o Yahoo, o Google e o Facebook, e, consequentemente, um templo para a comunidade geek. Como o Vale do Silício, embora um pouco menos glamourizada, Ashsburn, na Virgínia, também é uma prova de que, para funcionar, a internet precisa de uma infraestrutura física colossal. Como descrita por Blum, Ashburn é “uma cidade pequena que as pessoas que trabalham com internet acreditam ser uma cidade gigante”. É lá que fica a sede da Equinix, uma das principais empresas provedoras dos chamados datacenters ou centros de processamento de dados, abrigando grande parte dos servidores e bancos de armazenamento de dados nos EUA.Mesmo depois de percorrer milhares de quilômetros, visitar diferentes lugares em diferentes continentes, e certificar-se de que a internet corre numa teia infinita de cabos que atravessam oceanos e filamentos de vidro mais finos que um fio de cabelo, ainda resta a Blum algumas perguntas a serem respondidas. Dúvidas que o leitor vai desvendando à medida que o autor percebe a verdadeira motivação de sua busca. Em meio às várias questões que o livro levanta, uma parece exigir mais da nossa reflexão: por que, cada vez mais, precisamos transferir nossas vidas, nosso mundo, para os pulsos de luz que chegam às telas de nossos computadores, smartphones, tablets e afins? Quem se arrisca a responder?
    Leia um trecho +

    Perguntas e respostas

    Qual informação você precisa?

    Pergunte para Rocco

    Não fizeram nenhuma pergunta ainda. Faça a primeira!