official-store-logo
29 reales con 50 centavos

em 12x 3 reales con 01 centavo

Anúncio pausado

Informações da loja

Rocco
Rocco

Loja oficial no Mercado Livre

Características principais

Título do livroBrochadas - Confissões sexuais de um jovem escritor
Subtítulo do livroConfissões sexuais de um jovem escritor
AutorJACQUES FUX
IdiomaPortuguês
Editora do livroEDITORA ROCCO
Capa do livroMole
Ano de publicação2015
MarcaEditora Rocco

Outras características

  • Quantidade de páginas: 240

  • Altura: 210 mm

  • Largura: 140 mm

  • Peso: 277 g

  • Tipo de narração: Manual

  • ISBN: 9788532529947

Descrição

Vencedor do Prêmio So Paulo de Literatura em 2013 como melhor autor estreante, Jacques Fux volta a embaralhar as fronteiras entre ficço e realidade em seu novo romance. No ousado Brochadas, o escritor mineiro propõe uma "Ilíada da impotência", remontado ao passado da humanidade e a suas próprias origens judaicas em busca de respostas culturais, sociais, biológicas, místicas, artísticas e etimológicas para uma questo milenar: o funcionamento ilógico do pênis. Ao mesmo tempo, mergulha nas lembranças de seus amores passados – ou, mais especificamente, em seu currículo de brochadas – para traçar aquilo que chama de "autoanálise ficcional selvagem".   Porém, mais do que resgatar seus antigos relacionamentos com Agnes, Alice, Carla, Juliana, Jacqueline, Deborah, Sarah e Leah, Fux transforma as ex-namoradas em coautoras da obra. Indagando-as sobre as respectivas brochadas com o protagonista-escritor, ele literalmente conversa, por e-mail, com suas personagens – conduzindo a narrativa a um território insólito e instigante, nos limites da criaço.   O que é recordaço e o que é fantasia? Em que momento o autor Jacques Fux sai de cena para abrir espaço a Jacques Fux, figura dramática? O que foi idealizado e o que foi de fato vivido? No há respostas, pelo contrário: a intenço é exatamente confundir, provocar. Desde a abertura – onde deixa registrado que tudo ali “é verdade, exceto o que no invento” –, ele joga com os conceitos de metalinguagem e autoficço enquanto, evocando nomes como os de Flaubert e Montaigne, tece uma análise pungente e irônica do "eu" na literatura.    Seria o simples ato de contar histórias sempre uma forma de ficço, mesmo quando o objetivo é relatar fiel e detalhadamente um acontecimento? Como afirma o personagem-autor, “a literatura – assim como a vida, a memória e os momentos – é extremamente limitada e pobre”. Brochadas mostra que fato e imaginaço so complementares e inseparáveis: é necessário viver, lembrar, esquecer, criar, escrever, brochar.
Leia um trecho +